30 de nov de 2009

Youtube revoluciona os veículos de comunicação

Jornalistas e internautas utilizam vídeos como meio de informação

por Gerson Américo

O Youtube, na internet, se tornou uma das ferramentas mais populares, que diverte e ao mesmo tempo informa o público, com conteúdos variados de informação. Este ano, a ferramenta bateu o recorde de acessos, e atingiu a marca de 100 milhões de usuários, de acordo com os dados do site de consultoria conScore. Muitos internautas e jornalistas utilizam os vídeos como plataforma de notícias que podem servir de apoio para outras mídias.

O jornalista Fabio Galacci, 36, que trabalha ha 12 anos na Rede Anhanguera de Comunicação (RAC), de Campinas, diz que, o Youtube só enriquece o jornalismo. Para ele, o imediatismo da ferramenta é importante para garantir a veiculação dos fatos em questão de segundos. “Um exemplo claro ocorrido recentemente foram os protestos da oposição ao atual regime do Irã.

Com a imprensa oprimida naquele país, os vídeos na internet tiveram o papel de divulgar o que realmente estava acontecendo”, diz. De acordo com Gallacci, o Youtube é uma ferramenta poderosa que democratiza a informação. Segundo ele, todos nós somos multiplicadores de assuntos, mas é preciso ter cuidado com o que é veiculado, pois nem toda notícia que é inserida na rede é de relevância. “A utilização dos vídeos, na internet, dribla os mecanismos oficiais de notícia. Cada pessoa tem a sua versão dos fatos e pode compartilhar isso com o mundo”, afirma.

O jornalista diz que a total liberdade no uso do Youtube também abre espaço para informações equivocadas, e algumas situações, são direcionadas por interesses individuais. “O poder de escolha é do internauta, mas, cada vez mais, ele opta por sites confiáveis para conseguir informação”.

Para Gallaci, o Youtube é um de informação muito importante para á sociedade e o jornalismo, pois carrega uma variedade de pontos de vista, rapidez e facilidades. “O cidadão pode inserir na rede o que quiser”.

Rafael Sereno, jornalista e editor do Jornal Gazeta de Limeira, diz que, alguns portais jornalísticos utilizam o Youtube para a criação de vídeos informativos. “Desta forma, a nova mídia pode ser considerada útil para atender parte das necessidades do internauta”, diz Sereno.

O estudante de jornalismo Ivan Costa utiliza vídeos como veículo de informação há um ano.
Para ele, o Youtube é um veículo sem fronteiras, que com o auxilio de um bom computador, torna as pessoas informadas sobre o que acontece no mundo atual.

Segundo o estudante, é possível relacionar o jornalismo com a nova ferramenta, pois muitos canais de TV, também estão na internet, com conteúdos voltados ao público internauta.

Mídias Online são uma boa alternativa para o ouvinte

Rádio na web é a nova opção

por Leandro Tetzner Moller

Hoje em dia, se o ouvinte está chegando ao trabalho e não quer perder a notícia que estava acompanhando no trajeto de carro até seu destino, uma boa alternativa está nessas emissoras de rádio pela internet.

Isso ocorre porque várias emissoras têm transmissão via web, com programação 24 horas por dia, e para qualquer lugar do mundo.

Um exemplo disso é a rádio Estéreo Som de Limeira, que mantém sua programação online desde 1996, quando criou seu primeiro site na internet. De acordo com Bruno Bortolan, um dos seus proprietários, a emissora foi a primeira de Limeira e uma das pioneiras do país a adotar esse tipo de mídia online, criando em 2001 a sua primeira transmissão de rádio via internet.

Bortolan diz que o principal diferencial desse tipo de mídia é a abrangência geográfica. O ouvinte pode acessar o conteúdo da rádio em qualquer local do planeta. Por exemplo, muitos dos ouvintes da emissora que não possuem rádio no trabalho, acabam acompanhando a programação através do site via internet, já que fazem uso do computador o dia todo.

“Outro ponto forte dessa abrangência é a de pessoas que se mudam de Limeira, às vezes para locais onde as estações de rádio não chegam, mas continuam acompanhando via web. Bortolan ainda explica que as rádios online não servem só para que o ouvinte continue acompanhando a programação pelo computador.

“A participação se torna mais interativa, ou seja, ele passa a ter mais contato com a emissora. “Um exemplo disso são os blogs dos nossos programas, em que qualquer pessoa pode entrar e deixar sua opinião, pedir uma música ou fazer um comentário”.
Bortolan afirma também que novos canais online vão fazer parte do site da emissora, cada um com sua programação própria para atender ao gosto de todos os tipos de público.

Jaqueline Barreira, funcionária de uma empresa de fundição em Limeira, afirma, que, na van que faz o trajeto de ida e volta do serviço, ela e os demais passageiros escutam as primeiras noticias do dia nas rádios da cidade. Ao chegarem na empresa, ao acessar o computador, eles já deixam uma rádio local em aberto para continuar acompanhando as informações durante o dia.

Marcos Ferreira também utiliza a internet para sintonizar as rádios da região, já que precisa saber do andamento das pistas no dia a dia, por viajar a trabalho pela empresa em que presta serviços.

Entenda como funciona o rádio online

Web Rádio é o serviço de transmissão de áudio via Internet com a tecnologia streaming gerando áudio em tempo real, havendo possibilidade de emitir programação ao vivo ou gravada. Muitas estações tradicionais de rádio transmitem a mesma programação pelo meio convencional, por ondas de rádio, e também pela Internet, conseguindo desta forma a possibilidade de alcance global na audiência.

Para realizar a transmissão de áudio através da Internet é necessário enviar o áudio para um servidor que irá realizar a codificação apropriada e a transmissão aos usuários.

26 de nov de 2009

A pressa do Jornalismo

Erros comprometem a qualidade da cobertura on-line

por Carlos Giannoni

O Jornalismo na Internet está cada vez mais popular e em total expansão, devido ao crescente número de internautas no país. No entanto, a ‘agilidade’ que o veículo exige na divulgação das notícias pode atrapalhar o jornalismo na rede. Informações mal apuradas, incoerentes e erros de digitação são freqüentes.

O jornalista Daniel Heldt, diz que a informação deve ser checada em qualquer que seja o tipo de veículo de comunicação. "O erro pode causar grandes danos às pessoas ou mesmo à comunidade envolvida com a informação".

Foi o que aconteceu no último dia 10, quando o país sofreu mais um apagão, que afetou vários estados. Nas horas seguintes, a pressa em dar a notícia ficou visível. O portal G1, por exemplo, publicou matéria com vários erros de português (observe as fotos a seguir, clique para ampliar).





De acordo com Heldt, um dos fundadores do site jornalistas.blog.br, o autor ou o veículo deve se retratar quando noticia de maneira errada. "Quanto mais se erra na ânsia do ‘furo’, mais credibilidade se perde", conclui o jornalista.

A reportagem do EmFoco enviou dois e-mails para a redação do portal G1, relatando as incorreções, mas não obteve respostas. Só após 1h40 da publicação da matéria é que os erros foram corrigidos, tempo suficiente para a notícia chegar de modo incoerente a milhares de internautas.

25 de nov de 2009

Celular é ferramenta para Jornalismo

Hoje em dia é comum repórteres capturarem imagens por celular

por Vanessa Ferreira

No contexto atual, em que as mídias digitais estão em evidência, o celular como forma de receber e distribuir informações exige uma reconfiguração das funções jornalísticas. O jornalista passar a ter, ele próprio, de apurar as informações, produzir e disponibilizar suas reportagens com texto, foto e vídeo.

O celular colabora na produção e checagem de dados exigidos do repórter. No entanto, ficam valendo os mesmos critérios de ética e integridade do bom jornalismo. “Os celulares estão introduzindo um novo formato de jornalismo digital para levar rapidamente informações ao leitor plugado”, diz o jornalista Fernando Carril, gerente geral de celular da UOL.

Já para Rafael Sereno, redator-chefe da Gazeta de Limeira, o celular é uma tecnologia que facilita ao jornalista a busca de fontes e notícias e a conexão das mídias. “Pelo celular, posso entrar ao vivo numa transmissão de rádio ou TV e reportar as informações diretamente do local onde está acontecendo a notícia”.

Na opinião dele, mesmo com os benefícios para o jornalismo, o celular ainda possui restrições como meio de divulgação de notícias. “A restrição do espaço possibilitado pelas mensagens de texto SMS é prejudicial ao leitor, que gosta de informação completa”, explica.

Por isso, o Bluetooth está praticamente tomando o lugar das mensagens SMS enviadas por celular. Segundo o site de notícias Info Wester, a expectativa é que, em 2013, cerca de 2,4 bilhões de aparelhos em todo o mundo estejam integrados nesse padrão de comunicação.

Esse mecanismo pode ser usado sem restrições para enviar e receber arquivos de foto, vídeo e música. A sua utilização tem crescido, inclusive na área da Comunicação Social, tanto na Publicidade quanto no Jornalismo, devido à rapidez e ao baixo custo na transmissão de informações através de ondas de rádio.

Para Felipe Paes, aluno de Publicidade e Propaganda, a principal contribuição do Bluetooth é viabilizar o acesso às informações. “Em qualquer lugar que você estiver, ele possibilita compartilhar e receber arquivos de todos os gêneros”, explica.

Assessores vs Jornalistas: A batalha está chegando ao fim

por Gustavo Nolasco

A discussão é antiga, quem é mais jornalista? O assessor de imprensa pode ser considerado jornalista? Para o escritor e jornalista Rodrigo Capella, antes de mais nada “a tarefa é a de unir esses profissionais , respeitando possíveis diferenças e lutando para que elas, de nenhuma maneira, atrapalhem a execução das diversas habilidades jornalísticas, que se mostram cada vez mais importantes em nossa sociedade atual”.

De um lado, o jornalista pensa que está em uma grande batalha pela verdade e, por isso, o colega assessor é indigno de ser tratado como da mesma forma que ele. Do outro, o assessor faz o possível para informar o que convém ao cliente dele e se utiliza do que há de mais requintado em comunicação.

Habilidades como a de repórter, assessor de imprensa, editor e pauteiro, entre outras, são funções jornalísticas e devem ser respeitadas como tal. Infelizmente, a própria classe jornalística se confronta e se opõe em conceitos e estruturas, fundamentais para a consolidação e o respeito que ela merecia ter perante á sociedade.

Ainda segundo Capella, ”o assessor é um jornalista, bem como o jornalista muitas vezes pode vir a ser um assessor”. Essa compreensão está cada vez mais nítida entre os jornalistas de redação, que muitas vezes se utilizam dos textos enviados pelos colegas de assessoria para alimentar e dar mais credibilidade, sustentabilidade e entusiasmo ao texto que será lido pelo público.

O que muitos profissionais esquecem é que ambos foram formados em Jornalismo. Talvez isso ocorra porque alguns assessores de imprensa não sejam formados em Jornalismo. Mas, se analisarmos bem, a grande maioria é, e numa democracia a maioria prevalece.

Algumas declarações esquentam o debate. Em uma convenção da profissão, a assessora Érica Santos dispara: “Os assessores são a garantia de que a informação que chega ao público é verdadeira ". Do outro lado da mesa o jornalista Carlos Santos rebate: “Os jornalistas têm outras fontes, além dos assessores, que dão melhores informações”. Essa é a clássica desconfiança entre esses profissionais. A briga entre informação apurada e informação construída, mas que pra isso, também foi apurada.

Apesar da disputa o cenário está mudando. Uma pesquisa publicada no início deste ano feita pelo Instituto Franceschini de Análise de Mercado e coordenada pelo departamento de pesquisas da ABERJE (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial) informa que os profissionais de redação reconheceram a importância dos colegas assessores.

A pesquisa com 405 jornalistas de um total de 48.115 cadastrados pelo mailing MaxPress, a maior e mais segura referência do país, trouxe números curiosos: 42% dos entrevistados avaliam que os assessores de imprensa ajudam muito o trabalho da redação, já 43% dizem que ajudam um pouco, os outros 7% afirmam que não ajudam, nem atrapalham, e apenas 3% deste total dizem que atrapalham.

Capella acredita que a união da classe pode ter ajudado a equilibrar essa batalha, mas que ainda há muito a se discutir sobre o assunto. “Após a união da classe, essas análises ganharão profundidade e credibilidade, pois estarão sendo feitas por uma classe unida e fortalecida, em busca de seus interesses e, ao mesmo tempo, preocupada em oferecer cobertura jornalística precisa, ouvindo o maior número de lados possíveis”.

19 de nov de 2009

Conscientização ambiental do consumidor é importante na aquisição de produtos de madeira

por Beatriz Belchior

Por ano, aproximadamente 24 milhões de metros cúbicos de madeira da Amazônia, transformados em toras, são extraídos da Floresta Amazônica, dos quais 15% são absorvidos pelo mercado paulista, o que torna o Estado de São Paulo o maior consumidor de madeira nativa amazônica do mundo, segundo dados da Organização Não-Governamental Greenpeace.

Desde 2006, o Documento de Origem Florestal (DOF) é obrigatório para o controle do transporte e armazenamento de produtos e subprodutos florestais de origem nativa. E é este documento que garante a procedência de toda a madeira que circula no Brasil.

Carla, 26 anos, gerente da madeireira Zap Madeiras, de Limeira, diz que 99% dos seus clientes não demonstram interesse pela origem da madeira que compram. “A primeira via do DOF é do consumidor, mas ninguém pede”, declara.

A gerente também afirma que, após a criação do DOF, os preços de seus produtos aumentaram devido à regularização de grande parte das madeireiras, pois a fiscalização do Ibama (Instituto Brasileiro e Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) ficou mais rígida. O sistema de verificação pode ser facilmente acessado pelos fiscais com o auxilio da internet de qualquer localidade do Brasil.

Geralmente os clientes que têm maior contato com as madeireiras são os responsáveis pelos canteiros de obras. O engenheiro civil Evaldo Sérgio Grigoletto admite que não verifica a origem do material que usa em suas obras. Contudo, ele ressalta que o poder público é fundamental na conscientização dos danos que o desmatamento pode ocasionar. “A fiscalização pelo poder público evita que nós, consumidores finais, sejamos prejudicados”, conclui o engenheiro.

A conscientização de compradores e consumidores na hora da compra da madeira é essencial no combate ao desmatamento.

BLOG: Uma nova maneira de informar


Profissionais garantem a credibilidade desses espaços jornalísticos, cada vez mais procurados por internautas

por Cintia Ferreira

A expansão do jornalismo online e a disseminação dos blogs como ferramentas de informação são uma discussão presente entre os profissionais da área. Blog é um site que permite atualização imediata a partir de acréscimos conhecidos como “posts”. Eles começaram como diários on-line e, hoje, são mais que ferramentas de entretenimento, muitos têm carater informativo.

Segundo pesquisa do Ibope feita em fevereiro de 2008, o número de usuários brasileiros com acesso regular aos blogs atingiu 10 milhões de pessoas, o que representa 45,5% dos internautas ativos.

Wordpress e Blogger são as ferramentas que possuem mais leitores, juntas têm 7,7 milhões de usuários únicos mensais. Ainda de acordo com a pesquisa, Brasil e Espanha apresentaram os maiores índices de usuários dessas duas ferramentas.

A linguagem utilizada pelos blogueiros foge da rigidez praticada nos demais meios de comunicação, além da possibilidade de diálogo entre comunicador e audiência.
Daniel Heldt é jornalista, publicitário e também um dos fundadores do blog , que reúne repórteres de Limeira e região. Para ele, os blogs podem ter a mesma credibilidade que os demais veículos de notícias. “Não é a forma do veículo que gera credibilidade, e sim o posicionamento profissional perante as situações relatadas”, garante.

O blogueiro acredita que o maior trunfo do jornalismo nos blogs é a rapidez com que o leitor adquire a notícia. E admite sua preferência por blogs especializados, particularmente os de economia e esportes.

O blog do Assis Ângelo é outro endereço procurado por internautas que querem se manter informados através de veículos independentes na web. Ângelo credita o diferencial do jornalismo via blogs ao fato de, para ele, ser mais rápido e satisfatório. “Não existe diferença entre impresso ou web em termos de credibilidade. O que existe é jornalismo sério ou não, independentemente do formato em que ele é feito”.

Interatividade

Leitora frequente, Maria Cristina de Moraes Albino conheceu os blogs jornalísticos através de um professor da faculdade de Administração de Empresas. “Depois disso, passei a seguir blogs como o do Juca Kfouri, Ricardo Noblat e Paulo Henrique Amorim”, conta a analista-administrativo.

Maria Cristina diz que procura pelos portais de profissionais conhecidos na imprensa nacional por acreditar que eles assegurem a credibilidade da informação. “Eles permitem a opinião de quem os escreve, ao contrário de outros meios de comunicação”.

Heldt acrescenta que, para ele, todo o jornalismo feito na web serve como acréscimo ao jornalismo impresso, que não deve ser esquecido. “Basta reparar que os grandes impressos (jornais e revistas) já seutilizam da web para divulgar o seu trabalho”, relata.

18 de nov de 2009

EmFoco • Ed. 56 • Ano 9 • Outubro 2009

Jornal Laboratório EmFoco Isca Faculdades • Ano 9 • Ed. 56 • Outubro 2009

Campanha de agência ajudará entidade filantrópica

por Liandra Santarosa

A Agência Versão Brasileira do 8º Semestre de Publicidade e Propaganda do Isca Faculdades lançou no dia 16 de novembro a campanha “Meu coração tem RUMO”.

O objetivo é conseguir doações para o Instituto RUMO (Rubens Moraes) de Piracicaba, por meio de doações de litros de leite e de dinheiro, no valor de R$1,00. A instituição é uma ONG que tem como intuito promover a assistência educacional e social de crianças carentes de Piracicaba.

A iniciativa da agência surgiu a partir da idéia do TCC (trabalho de conclusão de curso)
que é desenvolver uma campanha publicitária para um cliente real, no caso da Versão Brasileira uma instituição do terceiro setor.

Para o estudante Fabio Gianfratti, trabalhar com a instituição nos possibilita um envolvimento social e uma grande liberdade de criação. “A Campanha nos aproxima da pratica do TCC”, completa.

As doações que podem ser feitas na sala H008, próximo à coordenadoria de comunicação, se encerrarão no dia 26 de novembro.

Exibição de Cannes terá debate e premiações

por Liandra Santarosa

Nesta quarta-feira, 18 de novembro, o curso de Publicidade e Propaganda do Isca Faculdades irá exibir os vídeos vencedores do 56º Festival Internacional de Propaganda, o Cannes 2009. O evento, aberto ao público, contará também com um debate entre os presentes, professores e profissionais da área de Propaganda de Limeira.

Além dos vídeos, serão apresentados e premiados os trabalhos interdisciplinares do 3º, 5º e 7º Semestre de Publicidade, bem como a entrega da Moção de Aplausos, da Câmara Municipal de Limeira e de Americana, aos estudantes vencedores do Troféu “Sergio Arapuã” do VIII Congresso Brasileiro de Marketing Político – Politicom 2009.

De acordo com o coordenador do curso, Victor Kraide Corte Real, o evento é uma tradição e faz parte do calendário anual do curso de Publicidade. Seu objetivo é aproximar a prática do mercado de trabalho e o conhecimento obtido na faculdade. “Especialmente neste ano teremos um brilho ainda maior com a comemoração das importantes premiações conquistadas pelos alunos”, completa.

15 de nov de 2009

Redes sociais a serviço do jornalismo

72% dos jornalistas utilizam Orkut e Twitter

A jornalista Ana Maria Devides há 9 anos trabalhando no Jornal Tribuna do Povo de Araras


A prática do jornalismo atualmente é feita com a ajuda das redes sociais, que servem de fonte de pesquisa e informação. O Orkut e, mais recentemente, o Twitter, estão entre os favoritos dos profissionais. A cada dia essas ferramentas vêm conquistando jornalistas e facilitando os trabalhos nas redações. O surgimento das redes sociais deflagrou uma mudança significativa na forma de fazer jornalismo.

Uma pesquisa realizada em São Paulo, entre julho e setembro deste ano, pela S2 Comunicação Integrada, e divulgada no último dia 4, mostra que os profissionais de jornalismo usam o Orkut (83,46%) e o Twitter (48,77%) para levantar informações. O Facebook vem em terceiro lugar, com 33,11% da preferência, seguido das redes: Myspace (20,09%), Flickr (18,94%) e Linkedin (15,81%).

O estudo teve por finalidade diagnosticar os hábitos dos jornalistas brasileiros dentro das redes sociais e da Web 2.0. Setenta e dois por cento dos jornalistas usam as redes sociais com finalidade profissional e pessoal, segundo a pesquisa.

“As redes sociais trazem o benefício da agilidade e da amplitude de opções de contatos, instantaneamente, algo que seria muito caro e demorado através de contatos telefônicos ou mesmo pessoais”, diz a jornalista Ana Maria Devides.

Ela trabalha no Jornal Tribuna do Povo, em Araras, e afirma utilizar essas ferramentas na sua rotina diária. “Passo o dia inteiro online, mas com status de ausente e só converso em geral com pessoas que trocam comigo informações que uso nas matérias do dia”.

A jornalista Renata Meneghin também concorda com a praticidade das redes sociais na produção jornalística. “Essas ferramentas vieram para facilitar o nosso trabalho, uma vez que lidamos com o imediatismo e temos pouco tempo para elaborar as matérias”.

Segundo Renata, os sites de relacionamento contribuem na busca por fontes para as reportagens e na publicação das fotos. “Já entrevistei pessoas pelo Orkut e também pelo MSN em tempo real, pois, como elas não estavam na cidade, não conseguimos contato pelo celular.

Ana Maria conta que pouco tempo atrás entrevistou uma psicopedagoga de Americana: “Como ela é disléxica, e tem dificuldades com leitura e escrita, a entrevistei pelo MSN, com uso da webcam e do viva voz, em menos de 20 minutos”.

No Estado de São Paulo, 348 jornalistas (83,25% dos entrevistados) disseram usar alguma rede social. Na região Sul, 100 profissionais (72,01%) da área afirmaram também manter perfil atualizado em pelo menos uma dessas redes.

Na região Sudeste, excluído o estado de São Paulo, que foi pesquisado isoladamente, 136 jornalistas responderam afirmativamente sobre o uso de redes sociais. Isso representa 76,43% dos pesquisados. E nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, 128 jornalistas (ou 75,99% dos entrevistados) disseram usar as redes sociais.

Em contrapartida, há empresas que ainda não utilizam esses canais, pois não acreditam que eles otimizem o trabalho do jornalista. Segundo a editora-chefe do Jornal Opinião de Araras, Talita Carpini, o veículo que ela trabalha não disponibiliza internamente o acesso a Orkut, MSN e Twitter por pensar que esses sites de relacionamentos acabam tomando muito tempo dos funcionários. “Já eu tenho uma visão diferente: as redes sociais podem ajudar na produção mais eficaz de reportagens”.


Os sites de relacionamentos são utilizados também pelas pessoas em geral, na busca de informações inéditas e atuais. De acordo com a estudante de jornalismo Lídia Baião, o Twitter é uma ferramenta essencial para se obter notícias de maneira mais rápida, principalmente pelas agências, e confessa estar ligada nas atualizações e nas discussões que acontecem no site. “Um grande exemplo desse ineditismo foi durante o Apagão de 3ª feira passada (que atingiu dezoito estados do Brasil).

Eu estava online no Twitter, quando aconteceu a queda de energia. Em questão de minutos, pude saber quais locais estavam sem energia e o que estava ocorrendo nas cidades de todo o país”. A futura jornalista utiliza as redes sociais, mas alerta: “É necessário ficar atento à veracidade e à credibilidade das fontes”.

13 de nov de 2009

Alunos de Administração apresentam trabalhos de Mercadologia

por Carlos Giannoni

Teve início na última Sexta-feira dia 7, a apresentação dos trabalhos sobre administração mercadológica dos alunos do 6º semestre C de Administração de Empresas do Isca Faculdades. O objetivo da atividade foi proporcionar aos estudantes experiências sobre marketing, através do lançamento de um produto já existente no mercado.

De acordo com o professor Jaime Curcio, eles tiveram que desenvolver todas as etapas do projeto. Pesquisa de mercado, estratégia de marketing, traçar o público alvo, prever a aceitação do público e o desenvolvimento do produto até seu lançamento.

O primeiro grupo a se apresentar, formado pelos alunos: Júnior Silva, Juliana Rodrigues, Joyce Ambrozetto, Milena Ferraz, Adriano Gonçalves, Sirlene Oliveira e Tamires Coelho, fez o lançamento dos dois novos


sabores, Salsa e Cebola e Bacon, do biscoito Club Social.
Para divulgar a marca, a equipe realizou uma gincana com todos os presentes que, ao chegarem para o evento, receberam uma espécie de “crachá”, que continha o nome de um dos sabores da bolacha e, ao lado, o desenho de uma cabeça, uma camiseta ou uma bermuda. Com o objetivo de que, ao início da música, todos deveriam encontrar seus respectivos trios, formando um conjunto como na foto abaixo.


Para o estudante Júnior Silva, o trabalho foi uma ótima experiência
e se
diz satisfeito como o desempenho do grupo. Segundo Júnior, o desafio foi grande, devido ao pouco tempo – duas semanas – que tiveram para desenvolver o trabalho, além da dificuldade de reunir todo o grupo, já que nem todos moram na mesma cidade.

“Como fomos o primeiro grupo a se apresentar, não tinhamos parâmetros para nos guiar. Servimos de exemplo para os demais alunos” conclui Silva.

Já para a aluna Tamires Coelho, a maior dificuldade foi fazer a ligação entre todas as partes do trabalho e que elas fizessem sentido na hora da apresentação. Lamenta pelos problemas técnicos que tiveram, mas assim como Júnior, avalia de forma positiva o resultado obtido.

Quem estava na platéia, aproveitou para observar atentamente os erros dos colegas. Foi o caso da aluna Raquel Elias, que fará o lançamento de seu produto na próxima Sexta-feira dia 13.“As falhas deles servirão de exemplo, para que não cometamos os mesmos erros no nosso trabalho” observa.


Mais apresentações

O segundo grupo a se apresentar, formado pelos alunos: José Alexandre Munhoz, Matheus Prada, Cibele Ferreira Franco, Vanessa Simoneti, Bruna Rodrigues, Rafael Bilato, Elaine Battistela e Cíntia Dorta, fez o lançamento da “Brastemp Eggo”, uma mini-lavadora destinada à lavagem de roupas íntimas, biquínis, roupas de ginástica e de bebê.



De acordo com o professor Jaime, ambos os grupos atenderam todos os requisitos propostos pelo trabalho e que os alunos estão de parabéns.
“Os trabalhos foram perfeitos, sensacionais” disse.

Abaixo, no vídeo, trechos da apresentação e confraternização dos alunos.

Alunos do curso de Administração promovem eventos no Isca

Os alunos do 6° semestre de Administração de Empresas do Isca Faculdades chamam a atenção dos estudantes da instituição com os diversos eventos que organizam. Na quinta-feira (12/11), os futuros administradores apresentaram a nova versão da Volkswagen (VW) Saveiro. A concessionária Germânica apoiou o evento, cedendo um modelo do carro.

Segundo o coordenador do curso de Administração Mercadológica I, Marcelo Zambon, o objetivo dos eventos é apresentar um produto que acaba de ser lançado no mercado. “Através desta atividade, eles exercitam seus conhecimentos em marketing e comunicação”, disse Zambon. O professor Jaime de Lima Curcio acrescentou que, “no próximo ano, os alunos terão que produzir um novo produto, ao invés de apenas demonstrá-lo”.

A integrante do grupo, Salete Santiago, disse que foi um desafio a realização do evento, pois “foi necessário correr atrás de patrocínio, delegar tarefas aos membros da equipe, além de organizar a apresentação”.

“Tudo o que nós desenvolvemos com o projeto é colocado em prática no mercado de trabalho”, afirmou a integrante do grupo, Lidiane Naves Batista. Ela ainda ressaltou que, a partir das pesquisas, “foi possível aprender mais sobre a história da VW no país”.

A cada noite, dois grupos de alunos de Administração apresentam seus trabalhos para uma média de 60 pessoas. Fica a cargo deles a decoração, alimentação e a forma como cada produto será divulgado ao público. As apresentações vão acontecer no mês de novembro, nas quartas, quintas e sextas-feiras.

O produto

“Carregada de Aventura” é o slogan da VW para a divulgação da Nova Saveiro. Segundo o site oficial da marca, o carro foi totalmente renovado. “Com design atraente, excelente versatilidade e robustez, a nova Saveiro atende plenamente às exigências de uma aplicação comercial, bem como às expectativas de quem procura um veículo ideal para o lazer”, informa a plataforma. Com novas dimensões, o carro ainda conta com maior capacidade de carga e maior estabilidade.

O representante da Germânica em Limeira, Willian Pimentel, considera importante a divulgação do produto na faculdade, pois “o público-alvo da nova Saveiro são jovens e universitários”.

Informação errada aumenta no jornalismo on-line

Notícias são superficiais por conta da velocidade exigida dos sites

por Juan Franscesco Piva

Com a popularidade do jornalismo on-line muitas pessoas vêm recrutando informações somente com uma rápida espiada nos noticiários da web. A velocidade na transmissão das notícias foi adaptada e justificada pela vida corrida de seus leitores. A cada minuto uma página de um site de notícias é atualizada. Mas existem leitores capazes de detectar informações erradas dessa mesma página em 60 segundos?

Diretora de conteúdo do Portal UOL, Márion Strecker avalia que as maiores dificuldades de se noticiar informações em tempo real são “a falta de tempo para apurar em profundidade e o maior risco de erro”. Para o editor responsável do jornal Gazeta de Limeira, Rafael Sereno, “a velocidade da internet é traiçoeira. Uma informação mal apurada e incorreta espalha-se com a maior rapidez na web, e seus efeitos são devastadores para a credibilidade”.

Quando o assunto é o padrão de texto utilizado no jornalismo on-line, Rafael diz que é preciso apresentar, necessariamente, parágrafos curtos, focados numa única ideia, e intercalados por um espaço, que visa descansar a leitura do internauta. “A linguagem tem de ser simples e objetiva. É preciso envolver o leitor, pois a possibilidade de ele desistir do texto é bem maior na internet d
o que no impresso”, ressalta.

Por sua vez, Márion defende que o portal da UOL, ainda que adote as regras do Manual da Redação da Folha, permite que seus parceiros e colaboradores desenvolvam ou mantenham seus próprios estilos.

Credibilidade

O operador de máquinas Nilson Rodrigues Matos não se sente muito seguro ao coletar informações de sites de notícias, pois avalia que a velocidade na transmissão de informações contribui para a má apuração dos fatos. “Às vezes, penso que eles jogam informações. Se acertam, tudo bem, mas se erram, sempre dão um jeito de consertar, mesmo que para isso tenham de ignorar a inteligência do leitor”, afirma.

O analista financeiro Marcelo de Mattos, que faz investimentos na Bolsa de Valores, revela que “existem inúmeras metodologias nas quais se baseiam investidores que alcançam ganhos consistentes a partir de dados recolhidos em sites de notícias”.

Porém, não é o caso dele, pois as especulações de mercado podem atrapalhar seus negócios. Marcelo lembra que “com informações privilegiadas, verdadeiras e de fontes seguras, um investidor pode sair na frente da concorrência que acompanha as notícias veiculadas na grande mídia”, justamente as que provocam oscilações no mercado.

Tanto Nilson quanto Marcelo buscam informações em outros veículos de comunicação para comprovar a veracidade dos fatos noticiados na internet. Isso porque na web os textos são meramente informativos, deixando a desejar no sentido de análise e tendências do que foi noticiado.

Jornalismo On-line X Jornal Impresso

Apesar da popularidade cada vez maior dos sites de notícias em tempo real, “os jornais impressos terão vida longa, mas é preciso que busquem diferenciais”, avalia o editor da Gazeta de Limeira.

Para ele, o caminho é intensificar a cobertura interpretativa-analítica dos fatos: o diferencial não será a notícia em si, que já saiu na internet, mas a riqueza de fontes ouvidas, o uso de imagens, análises e tendências do fato.

“Os veículos que não priorizarem esses métodos tenderão a repetir o que já saiu na internet, o que incentivará os leitores a abandonar de vez o impresso e optar pela web”, afirma o editor.

“Cem por cento dos jornalistas usarão intensamente a internet no seu cotidiano e ter seu trabalho divulgado em papel e/ou meios será um detalhe, não a essência”, ressalta a diretora de conteúdo do UOL. Ela acha que, com o passar dos anos, as diferenças entre jornalistas de impresso e de plataformas on-line irão diminuir, até que em algum dia desapareçam por completo.

12 de nov de 2009

Oficina Regional Cultural de Limeira apresenta mostra de fotografia

por Liandra Santarosa

A Oficina Regional Carlos Gomes de Limeira apresentará, a partir do dia 13 de novembro, a exposição “Intertextos Fotográficos”. Trata-se de imagens que evidenciam a fotografia em processo de desenvolvimento e transformação, sempre inacabada.

O trabalho é resultado final da Oficina “Técnicas e Teorias na Fotografia Contemporânea” que aconteceu nos meses de setembro e outubro com a coordenação de Rogério Entriger.

A mostra surgiu a partir de produções e intertextos com literatura musical, história da arte e da fotografia, artes plásticas, cinema e teatro. A exposição acontece até o dia 24 de novembro, na Oficina Cultural.

Os horários da exposição são de segunda à sexta-feira, das 10h às 18h, aos sábados e domingos das 14h às 18h. O site
http://www.oficinasculturais.org.br/ traz mais informações sobre “Intertextos Fotográficos”.

Pastoral da Criança atende famílias em bairros carentes de Limeira

por Gerson Américo

A Pastoral da Criança, em Limeira, é composta por dez paróquias e 25 comunidades, que atuam com a dedicação de 256 voluntários. O objetivo é proporcionar qualidade de vida, educação e saúde para as crianças e gestantes da cidade.

Os líderes comunitários são, na maioria, mulheres, que vivem nas próprias comunidades e orientam as mães, gestantes e as famílias sobre como cuidar bem da criança com técnicas acessíveis de ações básicas, além de estimular os laços familiares e comunitários.

A Pastoral da Criança é uma organização comunitária de atuação nacional, que tem seu trabalho baseado na solidariedade para a preservação da vida das crianças. É uma rede formada por pessoas que trabalham voluntariamente no combate à desnutrição e à mortalidade infantil.

Maria José Pereira, 52, dona de casa, é coordenadora da pastoral do bairro Parque Nossa Senhora das Dores há mais de 14 anos. Segundo ela, as crianças com a saúde em risco merecem uma atenção especial e são monitoradas de perto com o controle de peso, tamanho e alimentação.

Mariza Maria da Silva, 53, diarista, trabalha na pastoral como cozinheira nas suas horas vagas. Para ela, o trabalho realizado é muito importante para o desenvolvimento das crianças, pois “com uma boa alimentação e orientações adequadas, os resultados aparecem naturalmente”. Segundo ela, em alguns casos, os próprios médicos recomendam que as mães incluam as crianças no acompanhamento da pastoral.

A dona de casa Mayara Rodrigues Barbosa, 35, trabalha voluntariamente na pastoral, na brinquedoteca. Para ela, o entretenimento ajuda as crianças tanto na saúde física quanto mental. Isso ocorre enquanto os pais participam de palestras dadas por médicos e especialistas de saúde. “Com a união de cada um, trabalhando na sua área, sempre iremos alcançar nossos objetivos”, declara.

Célia Maria, 45, empregada doméstica, trabalha na pastoral com o controle de peso. Ela diz que muitas crianças se alimentam mal dentro de casa, devido a esse fato, acabam sofrendo com a desnutrição. Para ela, a alimentação fornecida pela pastoral é muito importante na recuperação de crianças carentes. “Não existe nenhuma recompensa maior do que salvar uma vida”, diz ela.

Andréia Almeida Neves, 37, dona de casa, tem uma filha de três anos e, desde a gestação, é acompanhada pela pastoral. “É muito importante para as mães, principalmente quando se tem o primeiro filho, pois as líderes orientam sobre a maneira correta de agir em algumas situações”, afirma. “É importante um acompanhamento nos primeiros anos de vida da criança”.

Jovens de Limeira aprendem valores com a prática do escotismo

por Leandro Tetzner Moller

O escotismo, em Limeira, abrange, principalmente, a área relacionada ao cuidado com o meio ambiente. As crianças e jovens que frequentam o Horto Florestal, local que mantém a sede do Grupo Tatuibí, aprendem a fazer o plantio de árvores, a cuidar do solo e a verificar se a natureza é respeitada.

Paulo Eduardo Ferreira, ex-chefe dos escoteiros, diz que, dentro dessas atividades, os escoteiros aprendem a ter espírito de equipe e a demonstrar liderança, que são fatores primordiais do escotismo.

Aos sábados, durante os encontros no período da tarde, são feitos o hasteamento da bandeira e o canto do Hino Nacional Brasileiro.

As crianças e os jovens que participam do escotismo têm entre sete e 21 anos. Acima desta idade, os jovens podem participar como voluntários dos grupos. O escotismo é o maior movimento de jovens do mundo. São 28 milhões de membros associados.

Criado pelo lorde Robert Stephenson Smyth Baden-Powell, em 1907, o escotismo, ou escultismo, como também é chamado, foi primeiramente fundado na Inglaterra e tem sede em Genebra, na Suíça. O 51º Grupo Escoteiro Tatuibi, de Limeira, foi criado em 16 de outubro de 1982.

A escoteira-chefe, Francilene Polin, afirma que, no escotismo, as crianças aprenderem a respeitar o meio ambiente, a terem liderança e a saberem trabalhar em grupo. Com isso, desenvolvem um ótimo relacionamento social.

Jovens vivenciam a religiosidade de maneiras diferentes

por Lidia Baião

Segundo Dom Geraldo Majella Agnelo, os jovens são nascidos para o heroísmo, e encontram em associações religiosas e filantrópicas o lugar idôneo para realizar seus próprios ideais.

Mesmo aqueles que atravessam um período de confusão e de crise, esperam que estas instituições saibam acolhê-los.

“No próprio Brasil, são milhões os jovens que vivem o Cristianismo de verdade ou procuram em outras expressões religiosas a chance de fazerem o bem para as pessoas menos favorecidas”, diz Dom Agnelo.

“Não é possível ser religioso somente na Igreja e saindo dela ser outra pessoa”, afirma Diego Rodrigo dos Santos, 21 anos, estudante de Jornalismo. Em sua opinião, a religiosidade consiste numa espiritualidade que se constrói a partir de uma profissão de fé que se pratica e também é reflexo e consequência de um conceito de fé que se adota para a vida.

Santos diz que, comumente, reza de manhã, à tarde e à noite. Trata-se do ofício das leituras e salmos, chamado pelo catolicismo de Liturgia das Horas, além das orações comuns. “Participo das missas todos os sábados e domingos e, na medida do possível, semanalmente também.

É na Eucaristia que me alimento da palavra de Deus e comungo do corpo e sangue de Cristo, que me dá força para continuar a caminhada de vida e de fé”, conta ele.

Aos sábados à tarde, ele cursa Teologia básica no Isca, para se aprofundar mais nos documentos e dogmas da Igreja Católica Apóstolica Romana, da qual participa e professa sua fé através do batismo, da primeira comunhão e da crisma - sacramentos oferecidos pela Igreja Católica.

Para Caio Rangel, 27 anos, administrador, religiosidade é ter fé em algo superior. É acreditar que as pessoas são colocadas no mundo por um Deus que quer ver as pessoas felizes. “Não acredito que Deus nos coloca nesse mundo para sofrer. Aliás, em minha opinião, é a falta de religiosidade que faz com que muitas pessoas sofram”, diz Rangel.

Sobre a maneira como ele vivencia a religiosidade no dia a dia, Rangel diz que agradece a Deus pela família, por seus amigos, pela namorada, pela família dela o ter recebido de braços abertos, por seu trabalho e por sua saúde.

“Praticar a religiosidade é, para mim, não guardar rancores, não destratar quem quer que seja, é entender o outro por mais diferente que seja, é respeitar as opiniões das outras pessoas, incluindo suas opções religiosas”, diz o rapaz.

Rangel é espírita e acredita que, a cada vida que se passa na Terra, se aprende e ensina algo. “Acredito que estamos sempre rodeados de espíritos bons que nos ajudam e nos intuem a tomar decisões para nosso bem e para nosso aprendizado”. Essa crença o faz acreditar que cada atitude ou pensamento negativo é prejudicial e cada atitude ou pensamento positivo ajuda a pessoa evoluir cada vez mais.

Já Vinicius Paes, 22 anos, estudante de Jornalismo, diz que não existe nenhum Deus, a não ser o homem, e que religião é tudo besteira. “São tradições criadas pelo homem para o próprio homem”, afirma ele. “Religião não é a busca espiritual. É mais uma tradição para que o homem limite seu pensamento dentro daquela doutrina. Não acredito em religiões, acredito em espiritualidade”.

Fabielen Rodrigues, 20 anos, estudante de Biomedicina considera a educação que teve em sua família um incentivo à religiosidade. “Não me imagino sem seguir a filosofia que me foi ensinada desde pequena e isso não se limita a frequentar igreja, mas sim em praticar todos os dias e onde estiver”, diz Fabielen, que é adepta do Budismo e sócia de uma organização budista não-governamental.

11 de nov de 2009

Câmara assegura a constitucionalidade do diploma

Em votação simbólica ocorrida na manhã desta quarta-feira (11/11) a Comissão de Constituição, Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados aprovou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 386/09 -- que altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de jornalista.

A FENAJ prossegue com a vigília nacional em defesa da profissão de jornalista e pela aprovação da matéria, agora na CCJC do Senado. Para acompanhar a tramitação na Comissão.

A votação na CCJC da Câmara ocorreu através do voto das lideranças das bancadas com presença na Comissão. O único voto contrário foi da bancada do PSDB.

“Esta votação é um atestado da constitucionalidade da exigência do diploma e uma garantia de que não existe conflito entre a regulamentação profissional dos jornalistas e o direito à livre expressão”, comemorou, eufórico, o presidente da FENAJ, Sérgio Murillo de Andrade.

Na tarde desta quarta-feira os sindicalistas reúnem-se com a Frente Parlamentar em Defesa do Diploma. A ideia é agilizar a formação da Comissão Especial, compromisso já assumido pelo presidente da casa, Michel Temmer, para agilizar a tramitação da PEC.

5 de nov de 2009

PEC dos vereadores valerá só nas eleições de 2012

por Carlos Giannoni

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que aumenta em cerca de 7 mil o número de vereadores em todo Brasil, aprovada no dia 22 de setembro passado, trouxe consigo um questionamento se os suplentes seriam empossados imediatamente.

A justiça se manifestou de forma oficial, através do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, o ministro Carlos Ayres Britto, que enviou ofício a todos os presidentes dos Tribunais Regionais Eleitorais, dizendo que a PEC dos vereadores não poderá entrar em vigor nessa legislatura.

Em Limeira, o número de vereadores passaria dos atuais 14 para 21. Isso geraria um impacto orçamentário de R$ 85 mil por mês aos cofres da Câmara Municipal de acordo com presidente da Casa, Eliseu Daniel dos Santos – PDT.

Eliseu complementa: “Não sou contra o aumento da representatividade dos vereadores. Sou contra a forma como tudo foi conduzido. É uma forma de enganar a opinião pública, pois não haverá queda nos gastos”.

O presidente explica que hoje a Câmara pode gastar até 6% do orçamento municipal, aproximadamente R$ 27 milhões e que gasta apenas 2%, cerca de R$ 7 milhões. “Se você tem 14 vereadores e aumenta mais sete, como não vai gastar mais”, indaga.

“A PEC foi aprovada tarde demais”, afirma Nelson Peixoto, promotor eleitoral. Ele explica que, para a Proposta de Emenda Constitucional ter valor retroativo, com a diplomação imediata dos suplentes, ela tinha que ser aprovada até a data limite onde foram realizadas as convenções partidárias que foram no mês de junho de 2008.

Marcelo Ielo Amaro, juiz eleitoral, reitera a decisão do TSE: “Os suplentes não assumem para essa legislatura municipal, a PEC só vai poder ser aplicada nas próximas eleições”. O juiz diz ainda que o pleito dos suplentes frente a Justiça Eleitoral é aberto quanto a um requerimento para a diplomação que eles eventualmente venham a fazer.

4 de nov de 2009

Editores da Gazeta e Jornal de Limeira dão entrevista a alunos de jornalismo

Exercício realizado em sala de aula prepara os alunos para situações do mercado de trabalho

por Carlos Giannoni

Com o objetivo de proporcionar a experiência de uma entrevista coletiva, os alunos do quarto semestre de jornalismo do ISCA Faculdades na disciplina redação para jornalismo, entrevistaram no último dia 7, o editor de variedades do Jornal de Limeira, Alex Contin e o editor-chefe do jornal Gazeta de Limeira, Rafael Sereno.

Num clima informal, os editores, ex-alunos de jornalismo da faculdade, falaram sobre as experiências, dificuldades e desafios que enfrentam diariamente e de temas como: A relação do jornalismo com o setor publicitário, a relação do jornalismo com as fontes, ética no jornalismo, credibilidade e jornalismo na internet.

Ética

Sereno diz que a ética deve ser constante na conduta do jornalista, e que o profissional deve zelar muito por ela, para que não perca a credibilidade. “Jornalismo não é feito sozinho. Primeiro é preciso ter ética com os colegas de trabalho”, acrescenta o editor.
“Ética atrai fontes, confiança e credibilidade” complementa Contin

Fontes

Quando o assunto são as fontes, um dos principais elementos para a produção jornalística, Sereno define: “Jornalismo é construir”. Diz ainda que a construção da relação entre repórter e fonte é essencial, e que quando ela passa a confiar no trabalho do jornalista os papéis se invertem, os procurando ao invés do contrário.

O editor de variedades do Jornal de Limeira deu uma dica aos alunos para ajuda-los na produção de suas matérias, que é procurar boas fontes nas universidades, nos autores de trabalhos científicos de graduação, mestrado e doutorado.

Jornalismo X Publicidade

A interferência do setor publicitário nas redações dos jornais é um problema que os editores enfrentam com freqüência em seus respectivos jornais.

Contin diz que a maior renda do Jornal de Limeira vem dos anunciantes e que os famosos “favores” acontecem. “É uma situação delicada, mas o agrado aos clientes é necessário, mas é preciso ter cuidado” diz. O Jornal de Limeira tem uma área específica para isso, chamada Livre Iniciativa.

Segundo o editor-chefe da Gazeta de Limeira, a influência publicitária é grande, mas ele tenta contornar a situação. “Pegamos a publicidade e tentamos torná-la uma pauta jornalística”. Mas explica que nem sempre isso é possível e que já se negou várias vezes a ceder às exigências do setor publicitário.

Jornalismo na internet

O jornalismo na internet é uma realidade e vem se aprimorando cada vez mais, sendo um veículo eficiente para noticiar o Hard News quase que em tempo real.

Segundo Sereno, devido à rapidez da internet, é comum a apuração dos fatos não ser completa. “A pressa de escrever não pode vir primeiro que a apuração. A informação precisa ser completa” diz.

Avalia também que a internet é um campo de liberdade, mas que ainda não é fonte de total credibilidade e que referências de fonte são importantes. A informação contida no “Balaio do Kotscho” é muito mais confiável no que de um blog de autor desconhecido, citou.

Contin diz que o jornalismo na internet já faz parte do dia a dia do repórter e que o domínio das novas tecnologias é essencial. “O jornalista tem que acompanhar os avanços tecnológicos, se não vai ficar para trás no mercado de trabalho”.

Contin conclui dizendo que o jornalista está aprendendo a todo momento e que o bom trabalho jornalístico é o resultado de saber captar com qualidade as informações e passá-las com ética e imparcialidade.

Já para o editor da Gazeta de Limeira, o jornalista deve adequar sua linguagem de acordo com o veículo em que trabalha. “É fundamental pensar no seu leitor na hora de redigir o texto. A linguagem tem que ser acessível a esse público, para que a matéria cumpra seu papel” diz. Para ele o grande desafio é colocar na matéria informações úteis ao leitor.

3 de nov de 2009

Aluno de jornalismo do ISCA participa de intercâmbio na Disney


O aluno do 6º semestre de jornalismo do ISCA, Daniel Marcolino, foi selecionado para participar de um intercâmbio no mundo da Disney, em Orlando, durante três meses. Depois de oito meses e diversas etapas seletivas em todo o Brasil, o estudante terá a oportunidade de trabalhar e se divertir no complexo Disney com universitários de vários países, além de realizar cursos específicos na Walt Disney University.

Para o estudante, trata-se de uma chance única de crescimento pessoal e profissional. “No que se refere à minha profissão, terei muita matéria prima e inspiração, pois viver e contar histórias são dois elementos inerentes ao jornalismo. Também sempre fui interessado por outras culturas, desde pequeno mantinha pen pals (amigos de carta) em outros países, que desaparecem com a chegada da internet”, lembra Daniel.

O objetivo do programa é proporcionar uma experiência de vida inesquecível aos participantes, permitindo-os compartilhar da mágica e da filosofia institucional da empresa. Os estudantes, chamados Cast Members (Membros do Elenco), são escalados para atuarem em diferentes áreas do complexo Disney.

J
á a coordenadora do curso de jornalismo, Milena de Castro, acredita que a vivência em outros países, por conta da língua e da cultura diferentes da brasileira, acrescenta muito à formação do estudante universitário. “Não tenho dúvidas de que o Daniel voltará desse programa com seus conhecimentos gerais e em comunicação sensivelmente ampliados”.

A interação entre os universitários estrangeiros, que moram juntos nos quatro condomínios da Disney, é outra meta do intercâmbio. “As jornadas de trabalho são de, no mínimo, 30 horas semanais. Sobra tempo para estudar, se divertir e conhecer muitos lugares dos Estados Unidos”, ressalta o aluno, que embarca no dia 21 de novembro.

O Programa

Programa Internacional para Universitários (International College Program - ICP) existe há mais de 30 anos e é referência em qualidade. O ICP é direcionado a estudantes maiores de 18 anos, que estejam cursando entre o segundo e o penúltimo ano de graduação, com inglês fluente e flexibilidade para morar e trabalhar com diferentes pessoas. Motivação e alegria também são requisitos.

O processo seletivo brasileiro começa em meados de abril, organizado e executado pela agência de turistmo Studant Travel Bureau (STB). O primeiro passo é participar das palestras informativas. Em seguida, os recrutadores da STB fazem uma seleção por meio de entrevista oral, avaliando o perfil e o inglês de cada candidato.

Os aprovados, depois cumprirem as etapas de confirmação, são convidados a serem entrevistados pelos recrutadores americanos que darão o resultado final. Os custos do programa se restringem ao bilhete aéreo, gastos com o visto, viagens aos locais das seletivas e seguro de vida.