31 de out de 2011

Último dia da SECOM encerra a semana com chave de ouro


Ana Paula Coletta, Bruna Leme, Érika Scharlach, Laura Thomaz, Luana Ribeiro, Mylena Arruda e Rafaela Silva

A Secom 2011, que teve como tema a Comunicação e os Desafios das Mídias Digitais, contou com a participação de diversos profissionais das áreas de Publicidade e Propaganda, e de Jornalismo que ministraram palestras e mesas-redondas sobre o assunto. No último dia, 27/10, o evento teve a presença da assessora de imprensa Grasiela Caldeira, e da editora do jornal on-line EP Piracicaba, Suzana Amyuni.


Palestra da Assessora de Imprensa Grasiela Caldeira
Foto: Teles Cristiano

Grasiela, que iniciou a noite abordando o assunto “Assessoria em Tempos de Novas Mídias”, demonstrou a importância do uso correto das mídias sociais dentro dessa profissão.

Ela desenvolveu o tema a partir da definição do que são mídias sociais e prosseguiu sinalizando as transformações que essas ferramentas trouxeram para o cotidiano do assessor de imprensa.

Grasiela defendeu a ideia de que as redes sociais são instrumentos que ainda estão em construção, mas que desafiam os meios clássicos de comunicação e trazem modernidade. Ela questiona sobre o uso que é feito das mídias sociais ultimamente: “Até que ponto é bom se aproximar ou se afastar das redes sociais?”, e evidencia a necessidade do assessor em utilizar esses meios de uma maneira positiva, sem que se tornem obstáculos que tragam reflexos negativos para o cliente.

Suzana, segunda palestrante da noite, compartilhou suas experiências profissionais no site EPTV.com de Piracicaba com os alunos presentes, demonstrando o cotidiano do jornalista que atua na área on-line. Discutiu sobre os desafios que os profissionais encontram ao produzir matérias para o site, afirmando que o meio on-line necessita de imediatismo na postagem das notícias, o que exige maior cautela na apuração dos fatos, para que assim, o material tenha credibilidade, seja completo e conciso. Ela afirmou ser necessária a utilização de recursos (infográficos, fotos, contato com internauta, layout e caricaturas) para melhor entreter o leitor internauta. Ela explicou que o site oferece interatividade, mantendo o leitor integrado em todos os sites da EPTV, com informações não apenas de Piracicaba, mas de toda região.

A noite foi encerrada com a exploração do tema através de perguntas feitas pelos participantes do evento. Audre Alberguini, coordenadora dos cursos de Comunicação Social, muito feliz e satisfeita com toda a semana de palestras, agradeceu a participação de todos os alunos, professores, autoridades e convidados e salientou a importância de todos na organização do evento. “Foi uma semana muito proveitosa principalmente porque os alunos participaram da elaboração da semana, ajudaram no planejamento, na execução. Essa participação, essa construção coletiva, também ensina, e isso é muito mais compensador para o aluno”.


A Moda e o Jornalismo

O último dia de Secom foi aberto com uma oficina ministrada pela jornalista Tamires Gonçalves Dias, que trouxe o assunto “Comunicação em Moda” para os participantes presentes. Durante toda oficina, Tamires enfatizou a importância do profissional estar devidamente preparado, dando dicas para atuação nesse mercado. Em entrevista, ela fala sobre a carreira e sobre o mercado de moda no Brasil.
A jornalista Tamires Gonçalves durante a oficina sobre Moda e Jornalismo
foto: Teles Cristiano

Você fez Jornalismo. Onde e quando se formou?
No Isca, me formei o ano passado, na turma de 2010.

E como você resolveu entrar nessa área de moda?
Na verdade, eu sempre gostei das editorias que envolviam tendências, beleza e saúde. Então, era algo que eu sempre gostei de fazer. E eu tomei a decisão de querer procurar um curso, porque eu sentia a necessidade de melhorar o texto. Ter conhecimento desse mundo, para ter autoridade na hora de escrever, na hora de fazer uma pauta, na hora de ter um roteiro de entrevista e na hora de entrevistar uma personalidade desse mundo.

Com que curso você deu sequência aos seus estudos?
Eu me formei no ano passado e como eu escrevia matérias sobre beleza, comecei a fazer um curso de maquiagem, porque eu queria entender um pouco mais para poder dar dicas e até escrever. Terminei o curso e comecei a fazer Senac em Americana, o curso de Moda e Estilo, um curso que forma assistentes de estilista, personal stylist, produtor de moda e vitrinismo também. Assim, a gente tem autoridade para falar sobre isso. E como falei, meu objetivo não é ser uma estilista, mas é customizar algumas peças, dar algumas dicas sendo personal stylist. E é isso que eu quero.

Como você vê a moda no mercado de Jornalismo? É uma editoria que tem sido bem aceita? Como é esse mercado?
Aqui, especificamente em Limeira, o Jornalismo de moda ainda não existe. Existe o Jornalismo feminino, ou seja, você é uma jornalista que escreve sobre beleza, saúde, bem-estar, dá dicas e fala sobre tendências. Não é algo específico como já existe em São Paulo, como essas grandes revistas que já são focadas nisso. E eu acho que a tendência do mercado tende a crescer, visto que tudo envolve moda. Principalmente devido às grandes semanas que o Brasil faz. Nosso país já é um grande produtor de estilo, de tendências. Então, eu acho que Limeira tem bastante a crescer, a aprimorar. Tanto que as vagas de trabalho são difíceis. Se você for repórter, você vai trabalhar em várias áreas, não é uma editoria específica. As revistas são mais sociais do que focadas em moda. Então, tem que crescer, pois é mais uma área onde nós podemos trabalhar. E para quem gosta, desenvolver o conhecimento, aprimorar. Onde aqui em Limeira você pensa em trabalhar com isso? É difícil. É importante o crescimento de cadernos. O Jornal de Limeira está trabalhando com vários cadernos, inclusive focados em moda. Se outros se espelharem nisso, o mercado tende a crescer.

Qual é a visão dos outros profissionais sobre o jornalismo de moda? O que você sente? Existe algum tipo de preconceito?
Essa coisa de preconceito eu nunca vi. Em Limeira você vai cobrir tudo, não tem como você escolher, não tem um veículo fixo que trabalhe só com moda. Então, vai de você se identificar com essa editoria. Mas não tem isso. Pelo pessoal que é do mesmo ramo, amigos meus, isso é muito tranquilo.

O que você acha dessa febre dos blogs? Todo mundo virou um pouco consultor de estilo, personal stylist. Todos querem dar dicas de moda. Isso é positivo?
Assim como nós, jornalistas e futuros jornalistas, fazemos seleção de outros assuntos na área da pesquisa, também temos que fazer nesse aspecto. Quais os principais meios de informação de moda? Vogue, Elle. Esses são meios nos quais você pode confiar. E o pessoal que tenta dar dicas, na verdade, eles se baseiam nesses meios. Então, se você digitar no site de pesquisa, site de busca, vai aparecer um monte, mas eles se basearam no quê? Algo que viram na TV, nas revistas... Tem que ter essa proximidade, se a gente faz as seleções de outros temas, porque não com esses também na hora de pesquisar, de buscar. Mas é preciso estar atento.
  

O que você tem feito atualmente?
Escrevo como freelancer pra alguns jornais. Tenho uma coluna em um jornal popular aqui em Limeira. E estou montando um negócio na área de moda. Como eu gosto muito de moda Vintage, vou abrir um brechó focado nessa tendência rêtro e, até novembro, estarei com tudo pronto.

Novo mercado publicitário foi tema do terceiro dia da Secom 2011

As palestras dos publicitários Pedro Gravena, Maurício Santana e Leonardo Rossi apontam os novos rumos da Publicidade no Brasil

Por Horácio Busolin Júnior, Matheus Fonseca e Alexandre Sinotti

Criatividade, ousadia e persistência. Essas foram algumas das dicas dadas pelos publicitários Pedro Gravena, da Agência DM9, e Leonardo Rossi e Mauricio Santana, ambos da Agência Iguale, durante o terceiro dia (26/10), da Secom 2011, realizado no anfiteatro do Isca Faculdades.

O rumo do mercado publicitário e os novos públicos que surgem com o advento das novas mídias foi o tema recorrente das palestras. Quase como uma exposição de boas histórias, as palestras tiveram por objetivo apresentar um novo panorama de como se fazer Publicidade com ousadia e muito esforço.

Abrindo as palestras, os publicitários da Agência Iguale, Leonardo Rossi e Maurício Santana, expuseram as experiências acumuladas no mercado de trabalho e também apresentaram o projeto desenvolvido na agência, que consiste na comunicação da acessibilidade. Eles desenvolvem novos meios de comunicabilidade para deficientes visuais e auditivos.

Por meio da publicação da portaria nº 310 de 27 de junho de 2006, foi aprovada a Norma Complementar nº 01/2006, que dispõe sobre acessibilidade para pessoas com deficiência na programação veiculada na televisão. Foi através dessa portaria que Maurício Santana teve a ideia de desenvolver um projeto especial para esse público. “Descobri que desenvolver novos canais para esse público seria uma novidade lucrativa, já que ao todo são 22 milhões de deficientes visuais e auditivos no Brasil. Até então nenhuma empresa fazia isso. Além de que um projeto como esse valoriza a marca da empresa, reforçando sua imagem institucional”, disse Santana.

Os dois projetos-chave da dupla são a produção de closed chaption (legenda oculta que descreve as falas de atores e sons presentes na cena) e audiodescrição (narração da descrição das cenas) para a televisão. Ambas as produções, de acordo com Leonardo Rossi, passaram por vários testes até serem aceitas. “Esse tipo de comunicabilidade ainda é muito novo e fomos aprendendo com várias tentativas. Ao final de um filme que fizemos audiodescrição fiquei muito contente em observar que o público compreendia nosso trabalho, comentando detalhes do filme”, declarou Rossi.

Maurício alertou que as demandas para o mercado de trabalho devem aumentar com a obrigatoriedade do sinal para o closed caption e a audiodescrição. “O mercado que trabalha com comunicação de acessibilidade ainda é pequeno. Falando isso, fica parecendo até que estou semeando a concorrência. Ultimamente tivemos até dificuldade de formar novos profissionais, o que não é uma tarefa tão simples”, alerta Santana.

O publicitário apontou que as funções de audiodescritor e produtor de legendas necessitam de certos requisitos, como o conhecimento em história e cinema, ter bom português e, acima de tudo, ser claro e sucinto. “Além de certos requisitos básicos, é importante que o profissional se familiarize com os softwares e aprenda a dominá-los”, recomenda o publicitário.

Ao final da palestra, Rossi demonstrou as técnicas de audiodescrição, apresentando trecho de filme da Quarta Mostra Cinema de Direitos Humanos na América do Sul, para o qual a dupla produziu audiodescrição. Além disso, a agência também está produzindo audiodescrição para o programa Comédia MTV e legendas para propagandas.

Música e Internet
A indústria fonográfica, com o advento da Internet, ainda não encontrou um modelo ideal de comercializar música na rede. As vendas de CDs caíram vertiginosamente, e o caminho para os artistas divulgarem suas canções migrou para os computadores.

Antenado em novos conceitos de marketing na web, o publicitário Pedro Gravena, resolveu arriscar e decidiu cair de cabeça em um projeto que parecia  inviável. Persistente, ele queria atrair a atenção do público para a música de uma forma multimídia, usando vídeos e, principalmente, a interação do público com o artista.

A palestra de Gravena foi baseada na produção e concepção do projeto Skank Play, que é uma espécie de vídeo clip social da música “De repente” e foi desenvolvido pela agência Don´t Try This e pela banda mineira Skank.

De forma descontraída e humorada, Gravena contou sobre o que não deu certo no início do projeto, como forma de aprendizado para os estudantes presentes. “O projeto hoje é um sucesso. Seria muito fácil chegar até aqui e contar só os pontos positivos. No entanto, acho importante que vocês fiquem sabendo do que deu errado, para que possamos aprender com os erros”, comentou.

O projeto de Gravena consistia em desenvolver um site para bandas, em que os músicos pudessem tocar com seus fãs. “Queria desenvolver um projeto no qual os músicos da banda tocassem junto com os fãs, simultaneamente. Isso seria possível se filmássemos os músicos tocando, e depois colocássemos os fãs acompanhando em vídeos separados. A ideia parecia absurda, mas depois de vários testes que fizemos com amigos, o projeto ganhou forma”, disse Gravena.

Após erros e tentativas, o produtor do Skank assistiu a um piloto do projeto e fechou um contrato com o publicitário. ”Em uma palestra conheci o produtor do Skank que topou concretizar o projeto”, relatou.



Contos e fábulas abrem o terceiro dia de oficinas da SECOM

Matheus Fonseca

Com o título “Encantando e Contando”, a oficina de Contação de Histórias ministrada pela jornalista e professora Ingrid Gomes, deu início às atividades da quarta-feira, 26, na SECOM 2011. Ingrid apresentou técnicas e dicas sobre a arte de narrar. Ela resgatou as origens e características do conto fantástico, ilustrando com livros que compilam histórias clássicas de cunho moral. Descontraída, a professora entusiasmou e ensinou os participantes durante os 50 minutos da oficina.

Que tal uma historinha?

Ingrid também promoveu a interatividade dos participantes. Utilizando objetos de sua “caixa mágica”, a contadora propiciou um cenário lúdico aos participantes, que superaram a vergonha e narraram suas próprias histórias.

“A imaginação é fundamental. O universo imagético compõe o elemento principal para uma boa história”, considerou. “O repertório criativo e fantasioso das crianças, atualmente, é muito limitado”, lamentou.

Ingrid ressaltou, inclusive, a importância da oralidade enquanto elemento cativante. “O ouvinte deve ser conquistado. Uma vez fisgado, levará para sempre a emoção que sua história proporcionou em dado momento, em determinada situação da vida”, emocionou-se Ingrid, garantindo que, sim, as palavras têm poder.

Jornalismo na era digital foi abordado na SECOM


Isis Renata, Janaina Ferreira, Paloma Barbosa e Vanessa Martins

A segunda noite da Semana da Comunicação (SECOM 2011) do Isca Faculdades foi marcada por uma mesa-redonda composta pelo secretário de comunicações do município de Limeira, Adalberto Pedro Mansur; pelo diretor de Jornalismo da CBN Campinas, Marco Massiarelli e pelo diretor de Jornalismo da TV Mix Regional, Sérgio Moreira.

 Mesa-redonda com profissionais no segundo dia da Secom 2011
foto: Teles Cristiano

O debate iniciou com a exposição de cada convidado sobre as formas com que as novas tecnologias são desempenhadas em seus meios de trabalho. A tecnologia facilitou o acesso e a transmissão de informações e dados, adaptando, assim, o Jornalismo à era digital. Portanto, é imprescindível que o jornalista seja multifuncional e saiba adequar cada texto a uma determinada mídia. 

Cada profissional comentou sua relação com a tecnologia. Mansur deu um panorama de como as mídias sociais são desenvolvidas no serviço público. Massiarelli relatou a dificuldade da digitalização das rádios. Sérgio Moreira defendeu a importância das mídias digitais, mas também ressaltou o valor dos princípios jornalísticos.
           
Adalberto Pedro Mansur

Atual secretário de Comunicações de Limeira é formado em Jornalismo pela PUC-Campinas e especialista em Comunicação Pública e Responsabilidade Social pela Metrocamp. Além disso, é o criador do blog Comunicação & Negócios. “Há uma deficiência no mercado na área de assessoria de imprensa, principalmente com foco em mídias sociais”, comenta Mansur. Ele tratou da queda do percentual de confiança do povo nos meios de comunicação, que em 2009 era 71% e hoje corresponde a 65%.

Marco Massiarelli

Formado em Jornalismo pela Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep). Trabalhou em importantes veículos de comunicação, especialmente em emissoras de rádio e televisão, como a Rede Família, TV Brasil (afiliada do SBT) e EPTV Campinas (afiliada na Rede Globo). E há seis meses é diretor de jornalismo da CBN Campinas.  De acordo Massiarelli, a rádio AM tem que se adaptar à era digital: “O rádio AM também precisa passar por um processo de digitalização. Pois, nos últimos anos, perdeu muito por não ter feito isso”.

Sérgio Moreira

Diretor de Jornalismo da TV Mix Regional, é formado pela Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep). Iniciou sua carreira no rádio e teve uma passagem de seis anos pela Transamérica, do Rio de Janeiro. Essa inovação com relação à tecnologia, como Facebook e Twitter, são ferramentas importantes. Mas aquela regrinha antiga de checagem, de ouvir os dois lados não pode deixar de ser feito nunca”, reforça Moreira.

SECOM 2011 começa com entrega de prêmios e mesa-redonda


Sara Pizzol Tognin, Raíza Tronquin, Dora Vitti, Camila Piacentini, Tiago Csehak, Fernando Carvalho, João Vitor Fedato, Denis Fernando, Andrey Moral.

 Felipe Mattos e Marcelo Maiolo na Secom 2011
foto: Teles Cristiano

A Semana de Comunicação (Secom) no ISCA Faculdades de Limeira teve início na segunda-feira (24/10) com presença dos alunos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda, coordenadores, professores e convidados especiais. Neste ano, a Secom aborda o tema das mídias digitais da comunicação: os desafios que estas ocasionam tanto no Jornalismo quanto na Publicidade e também nas mudanças no mercado de trabalho. A abertura do evento contou com a presença de presidentes e diretores de diversos sindicatos de trabalhadores de Limeira.

Na ocasião foram homenageados os sindicalistas Artur Bueno de Camargo, presidente da Confederação dos Trabalhadores das Indústrias de Alimentação de Limeira e Região, e Ademar Rangel, presidente dos Trabalhadores da Construção Civil.

Houve, também, a entrega do “I Prêmio USTL de Jornalismo”, promovido pela União Sindical dos Trabalhadores de Limeira (USTL), que classificou as melhores reportagens produzidas por alunos do Isca sobre o papel dos sindicatos para o desenvolvimento do Brasil. Em primeiro lugar, ficou o aluno Matheus Fonseca, em segundo lugar a aluna Rafaela Silva e em terceiro lugar, a aluna Dora Vitti. Houve também a entrega de certificados de menção honrosa aos alunos Horácio Busolin Junior e Raíza Tronquin.

Depois da cerimônia de premiação aconteceu a mesa-redonda com Felipe Mattos, que trabalha há 8 anos na Agência Vetor Zero, de São Paulo, e Marcelo Maiolo, ilustrador e colorista da DC Comics. Os palestrantes revelaram as técnicas, os modos de produção e os efeitos das imagens em Publicidade e Propaganda. Além dos eventos no anfiteatro do Isca, aconteceram a oficina de Oficina de Manipulação Digital de Imagens, com o fotógrafo e estudante de Publicidade, Ricardo de Moraes, a apresentação cultural com um grupo de dança e caricaturas ao vivo com o professor Renato Fabregat.

Primeiro dia da SECOM é aberto com profissionais de Publicidade

Os profissionais Felipe Mattos e Marcelo Maiolo compuseram a mesa-redonda Comunicação, Arte e Novas Mídias. Os profissionais falaram sobre suas carreiras e também tiraram dúvidas dos alunos presentes.

Felipe Mattos é diretor de fotografia para Publicidade da produtora Vetor Zero. Bacharel em Rádio e TV pela Universidade Metodista de Piracicaba, Mattos contou detalhes sobre alguns trabalhos dirigidos por ele e apresentou vários vídeos de comerciais que fizeram sucesso na telinha. 

“O tratamento com o mercado internacional não é tão diferente como o que temos ou fazemos no nosso país. As barreiras culturais são pequenas dentro desse mercado globalizado. No caso da Vetor Zero, sempre temos um encarregado por acompanhar todo o processo para que nada fuja da projeto inicial do cliente relacionado ao que acontece no seu país. Hoje, a falta de comunicação não pode acontecer”, explicou Mattos a respeito da globalização em sua profissão.

Questionado sobre o tema da SECOM, Felipe Mattos foi direto. “Hoje, as mídias sociais são extremamente importantes. Diversas campanhas são feitas, direcionadas e personalizadas para Twitter, Facebook e Youtube. O formato final de um comercial feito para televisão sofre uma adaptação para ser veiculado também na Internet. O grande número de pessoas atingidas por esse tipo de mídia é o atrativo para os clientes das agências”, disse.

O outro convidado da noite prendeu a atenção do público, afinal, não é todo dia que se pode conhecer um colorista de Histórias em Quadrinhos. Marcelo Maiolo está desde 2003 nesta profissão e diz que começou a partir de uma brincadeira. “Tudo começou porque tenho o costume de jogar RPG e, através dos jogos, recebi um convite para participar da criação de uma história. Como já havia dois ilustradores, fiquei com o trabalho de colorização e não parei mais”, contou. Atualmente, Maiolo trabalha para a DC Comics como colorista regular das séries DemonKnights e I Vampire. Ele traça um paralelo entre o passado e o atual momento das HQ. “O mercado de quadrinhos envelheceu, por isso, é necessário criar mais histórias para o público adulto e interagir com as mídias digitais para atingir um público mais jovem. A DC Comics, por exemplo, está disponibilizando todas as histórias para Ipad e é uma tentativa que têm dado certo para atrair novos leitores”, analisa.

Marcelo Maiolo finalizou sua participação falando sobre o prazer de participar do evento. “É muito legal participar de uma SECOM. Não só pela oportunidade de transmitir a minha experiência, mas para aprender com os outros convidados, professores e alunos. A troca de informações é bacana, é algo valioso que carregarei para a minha vida”.

13 de out de 2011

Semana de Comunicação 2011 (SECOM)

A Comunicação e os Desafios das Mídias Digitais

Por Audre Alberguini

As mídias digitais têm mudado a rotina de profissionais de Comunicação e o mercado de trabalho de jornalistas e publicitários. A Internet abriu novas portas para esses profissionais, fazendo com que essas atividades ganhem novos horizontes, mas, por outro lado, exige novas competências profissionais.

No âmbito da Publicidade e Propaganda surgem novas ferramentas tecnológicas, múltiplas demandas do consumidor – mais atento, exigente e com acesso a inúmeras fontes de informação – além de infinitas possibilidades e canais de veiculação no ambiente digital.

No Jornalismo, a informação produzida é circulada com enorme rapidez, quase instantaneamente. A relação dos veículos jornalísticos com o público foi totalmente alterada por essas novas mídias. O público, antes passivo, agora atua decisivamente na produção de conteúdos, nos comentários e na confecção das matérias, como por exemplo, no envio de material para portais e sites noticiosos.

Nesse cenário competitivo e desafiador, as empresas publicitárias e jornalísticas têm buscado inovações e exigido novas posturas de seus profissionais. Os desafios que as mídias digitais ocasionam no fazer jornalístico e no fazer publicitário e as mudanças no mercado de trabalho são os temas centrais das discussões da Semana de Comunicação 2011 do Isca Faculdades.

Confira a programação SECOM 2011

Dia 24/10
18h30-19h15 - Oficina “Manipulação Digital de Imagens”, com o estudante de Publicidade, Ricardo de Moraes
19h -19h15 - Apresentação cultural: Grupo de Dança
19h -19h15 - Abertura da Semana e Comunicação 2011 e Entrega do “I Prêmio USTL de Jornalismo”
20h30 - Mesa-redonda “Comunicação, Arte e Novas Mídias” com Felipe Mattos, da Agência Vetor Zero, de São Paulo, e com ilustrador Marcelo Maiolo, de Piracicaba. Mediação: profº Renato Fabregat.

Dia 25/10
18h30-19h15 - Oficina “Comunicação e Expressão”, com o jornalista Paulo Alexandre Gomes
19h -19h15 - Apresentação cultural: Banda de Comunicação dos alunos do Isca
19h15 - Mesa-redonda: O Jornalismo e as Novas Mídias, com Marco Massiarelli,  diretor de Jornalismo da CBN Campinas; Adalberto Mansur, secretário de Comunicação da Prefeitura de Limeira; Sérgio Moreira, diretor de jornalismo da TV Mix de Limeira. 

Dia 26/10
18h30-19h15 - Oficina “Encantando e Contando”, de Contação de História, com a profª Ingrid Gomes
19h -19h15 - Apresentação cultural: Grupo de Teatro
19h15 - Mesa-redonda “Publicidade, novos públicos e mercados”, com Pedro Gravena, da Agência DM9, de São Paulo, Leonardo Rossi e Maurício Santana, ambos da Agência Iguale, de São Paulo. Mediação: profº Renato Frigo

Dia 27/10
18h30-19h15 - Oficina “Comunicação em Moda”, com a jornalista Tamires Gonçalves Dias
19h - 19h15 - Apresentação cultural: DJ Ney
19h15 - Palestra “Assessoria de Imprensa e as Novas Mídias”, Grasiela Caldeira, da G Carvalho Sociedade de Advogados, Office 3 Comunicação, São Paulo.

10 de out de 2011

Lançamento do livro Vermelho é o Nome da Rosa

Laura Thomaz e Letícia Beneton

Na última sexta-feira, dia 07 de outubro, no Museu da Jóia, aconteceu o lançamento do livro Vermelho é o Nome da Rosa de Marcelo Nascimento.
        Houve muitas surpresas durante o evento, dentre elas a apresentação dos atores Marilene Donato, José M. de Andrade e Leandro Bonin, e também da bailarina Juliana Perez.
        A Banda Rosa Mística, com Raquel Pavanelli, também se apresentou e foi destaque, agradando e envolvendo os convidados presentes.
        O livro conta a história de dois amigos que saem em uma viagem pelo sul do Brasil. Na viagem de aventura, acontece romances e dramas. Nasce ao desenrolar da história uma paixão entre eles, contudo como um grande romance, as paixões, como esta, termina em tragédia.

Domingo de Relíquias na Praça Toledo Barros

Ocorreu neste domingo, dia 09/10, mais uma edição do “Domingo de Relíquias” com a exposição de carros, motos e caminhões antigos. O evento é realizado pelo Clube de Carros Antigos de Limeira, em parceria com a Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Turismo e Eventos e acontece todo segundo domingo do mês na Praça Toledo Barros das 9h às 13h.  O evento também conta com exposição de objetos e peças raras de colecionadores bem como barracas de alimentação.